sexta-feira, 7 de julho de 2017

Exercícios de Primeiro Reinado:

Exercícios de Primeiro Reinado:

1. (UFES) "Confederação do Equador: Manifesto Revolucionário:
Brasileiros do Norte! Pedro de Alcântara, filho de D. João VI, rei de Portugal, a quem vós, após uma estúpida condescendência com os Brasileiros do Sul, aclamastes vosso imperador, quer descaradamente escravizar-vos. Que desaforado atrevimento de um europeu no Brasil. Acaso pensará esse estrangeiro ingrato e sem costumes que tem algum direito à Coroa, por descender da casa de Bragança na Europa, de quem já somos independentes de fato e de direito? Não há delírio igual (... )."
(Ulysses de Carvalho Brandão. A CONFEDERAÇÃO DO EQUADOR. Pernambuco: Publicações Oficiais, 1924).
O texto dos Confederados de 1824 revela um momento de insatisfação política contra a:
a) extinção do Poder Legislativo pela Constituição de 1824 e sua substituição pelo Poder Moderador.
b) mudança do sistema eleitoral na Constituição de 1824, que vedava aos brasileiros o direito de se candidatar ao Parlamento, o que só era possível aos portugueses.
c) atitude absolutista de D. Pedro I, ao dissolver a Constituinte de 1823 e outorgar uma Constituição que conferia amplos poderes ao Imperador.
d) liberalização do sistema de mão de obra nas disposições constitucionais, por pressão do grupo português, que já não detinha o controle das grandes fazendas e da produção de açúcar.
e) restrição às vantagens do comércio do açúcar pelo reforço do monopólio português e aumento dos tributos contidos na Carta Constitucional.
2. (Mackenzie) O episódio conhecido como "A Noite das Garrafadas", briga entre portugueses e brasileiros, relaciona-se com:
a) a promulgação da Constituição da Mandioca pela Assembleia Constituinte.
b) a instituição da Tarifa Alves Branco, que aumentava as taxas de alfândega, acirrando as disputas entre portugueses e brasileiros.
c) o descontentamento da população do Rio de Janeiro contra as medidas saneadoras de Oswaldo Cruz.
d) a manifestação dos brasileiros contra os portugueses ligados à sociedade "Colunas do Trono" que apoiavam Dom Pedro I.
e) a vinda da Corte Portuguesa e o confisco de propriedades residenciais para alojá-la no Brasil.

3. (Cesgranrio) A Constituição imperial brasileira, promulgada em 1824, estabeleceu linhas básicas da estrutura e do funcionamento do sistema político imperial tais como o(a): 
a) equilíbrio dos poderes com o controle constitucional do Imperador e as ordens sociais privilegiadas. 
b) ampla participação política de todos os cidadãos, com exceção dos escravos. 
c) laicização do Estado por influência das idéias liberais. 
d) predominância do poder do imperador sobre todo o sistema através do Poder Moderador. 
e) autonomia das Províncias e, principalmente, dos Municípios, reconhecendo-se a formação regionalizada do país. 
Gabarito:
1-C/2-D/3-D

EXERCÍCIOS DE CRISE DE 1929:

1. (Fatec-SP 2009) Entre os fatores que ocasionaram a crise de 1929 nos EUA destaca(m)-se:
a) o protecionismo rígido, a escassez de crédito bancário e a superprodução.
b) a saturação do mercado, a crise na agricultura e o crash da bolsa de Nova York.
c) a superprodução, a saturação do mercado e a expansão desmedida do crédito bancário.
d) a adoção de programas de construção de obras financiadas pelo Estado para minorar o desemprego.
e) a excessiva oferta de terras e o protecionismo rígido.

2. (Fuvest 2007) "A crise atingiu o mundo inteiro. O operário metalúrgico de Pittsburgo, o plantador de café brasileiro, o artesão de Paris e o banqueiro de Londres, todos foram atingidos".
(Paul Raynaud - LA FRANCE A SAUVÉ L'EUROPE, T. I. Flamarion )
O autor se refere à crise mundial de 1929, iniciada nos Estados Unidos, da qual resultou:
a) o abalo do liberalismo econômico e a tendência para a prática da intervenção do Estado na economia.
b) o aumento do número das sociedades acionárias e da especulação financeira.
c) a expansão do sistema de crédito e do financiamento ao consumidor.
d) a imediata valorização dos preços da produção industrial e fim da acumulação de estoques.
e) o crescimento acelerado das atividades de empresas industriais e comerciais, e o pleno emprego.

3. (Unirio 2011) A grave crise econômico-financeira que atingiu o mundo capitalista, na década de 30, tem suas origens nos Estados Unidos. A primeira medida governamental que procurou, internamente, solucionar essa crise foi o "New Deal", adotado por Roosevelt, em 1933. Uma das medidas principais desse programa foi o(a):
a) encerramento dos investimentos governamentais em obras de infra-estrutura.
b) fim do planejamento e da intervenção do Estado na economia.
c) imediata suspensão da emissão monetária.
d) política de estímulo à criação de novos empregos.
e) redução dos incentivos à produção agrícola.
Gabarito:

1-C/2-A/3-D

Exercícios: Brasil Holandês (1630-1654)

Exercícios: Brasil Holandês (1630-1654)

1. (FUVEST) Foram, respectivamente, fatores importantes na ocupação holandesa no Nordeste do Brasil e na sua posterior expulsão:
a) o envolvimento da Holanda no tráfico de escravos e os desentendimentos entre Maurício de Nassau e a Companhia das Índias Ocidentais.
b) a participação da Holanda na economia do açúcar e o endividamento dos senhores de engenho com a Companhia das Índias Ocidentais.
c) o interesse da Holanda na economia do ouro e a resistência e não aceitação do domínio estrangeiro pela população.
d) a tentativa da Holanda em monopolizar o comércio colonial e o fim da dominação espanhola em Portugal.
e) a exclusão da Holanda da economia açucareira e a mudança de interesses da Companhia das Índias Ocidentais.

2. (UFMG) Leia o texto.
"Nassau chegou em 1637 e partiu em 1644, deixando a marca do administrador. Seu período é o mais brilhante de presença estrangeira. Nassau renovou a administração (...) Foi relativamente tolerante com os católicos, permitindo-lhes o livre exercício do culto. Como também com os judeus (depois dele não houve a mesma tolerância, nem com os católicos e nem com os judeus - fato estranhável, pois a Companhia das Índias contava muito com eles, como acionistas ou em postos eminentes). Pensou no povo, dando-lhe diversões, melhorando as condições do porto e do núcleo urbano (...), fazendo museus de arte, parques botânicos e zoológicos, observatórios astronômicos". (Francisco Iglésias)
Esse texto refere-se:
a) à chegada e instalação dos puritanos ingleses na Nova Inglaterra, em busca de liberdade religiosa.
b) à invasão holandesa no Brasil, no período de União Ibérica, e à fundação da Nova Holanda no nordeste açucareiro.
c) às invasões francesas no litoral fluminense e à instalação de uma sociedade cosmopolita no Rio de Janeiro.
d) ao domínio flamengo nas Antilhas e à criação de uma sociedade moderna, influenciada pelo Renascimento.
e) ao estabelecimento dos sefardins, expulsos na Guerra da Reconquista Ibérica, nos Países Baixos, e à fundação da Companhia das Índias Ocidentais.

3. Leia o texto a seguir: “A primeira invasão ocorreu na Bahia, em 1624. Chefiada por Jacob Wilekems e Johan van Dorf (comandante terrestre, posteriormente morto em combate), logrou dominar Salvador e prender o governador. Não chegaram, porém, a estabelecer maiores contatos com os proprietários rurais do Recôncavo, pois a reação no interior, liderada pelo bispo dom Marcos Teixeira, conseguiu evitar qualquer tipo de penetração.” (Wehling, Arno; Wehling, Maria José C. De M. A formação do Brasil Colonial. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1994. p.127).
O texto refere-se à:
a) primeira invasão holandesa no nordeste no Brasil, já que, em 1624, o Sul e o Sudeste já haviam sido dominados pela Holanda.
b) primeira invasão holandesa na Bahia, já que em outros estados brasileiros, os holandeses já haviam desembarcado desde o fim do século XV.
c) primeira invasão holandesa no Brasil, que foi debelada no ano de 1625 por uma armada luso-espanhola.
d) primeira e única invasão holandesa no Brasil, já que, depois de serem expulsos da Bahia em 1625, os holandeses não mais voltaram.
e) primeira e única invasão holandesa no Brasil, já que os holandeses permaneceriam por cerca de duas décadas na Bahia até o momento da restauração da coroa portuguesa. 

Gabarito:

1-B/2-B/3-C

domingo, 27 de dezembro de 2015

A Guerra Civil Americana (1861 - 1865)

A Guerra Civil Americana (Civil War) é o maior conflito interno travado em um País do continente Americano. Também chamada de “Guerra de Secessão” a contenda deixou profundas conseqüências que ainda hoje podem ser vistas e sentidas na sociedade Norte – Americana.Para entender melhor o conflito é preciso retornar ao passado de cada região que ajudou a compor o atual território dos Estados Unidos.
Originalmente o País surgiu a partir da fundação das 13 colônias Inglesas da América do Norte, sendo sete de povoamento ao Norte e seis de exploração ao Sul. Desde o início já era notória a diferença entre os modelos de colonização implantado pelos Britânicos na América, no norte de maioria Puritana a mentalidade era Capitalista e empreendedora muito em razão das características religiosas desses colonos.
O Sul tinha Mentalidade Agrícola por conta das características geográficas encontradas pelos pioneiros que colonizaram a região; Pântanos e terras férteis favoreciam o cultivo de Algodão, tabaco e Anil. O Modelo Sulista se assentava no que chamamos de “Plantation” ; grandes fazendas, em regime de Monocultura e com o uso de mão de obra escrava.
Portanto temos um Norte Industrial, moderno, com mão de obra livre assalariada e de forte espírito Capitalista. O Sul em contrapartida era Agrário, escravagista e Agro-Exportador.
A Raiz da Guerra Civil Americana está nas fortes diferenças econômicas, culturais, sociais e Políticas entre o Norte e o Sul dos Estados Unidos. A principal diferença, e a grande responsável pela eclosão do conflito foi a questão da mão de obra, o Norte tinha posições abolicionistas e o Sul era defensor do uso de escravos em suas fazendas.
Por muito tempo essas divergências Históricas foram amenizadas em razão da tradição federalista expressa na constituição dos Estados unidos onde cada Estado Americano desfruta de certa independência Política. Porém esse equilíbrio se perdeu no momento que surgiu na Política Norte Americana a figura do Nortista Abraham Lincoln, suas fortes convicções abolicionistas mergulhariam o País na mais sangrenta Guerra Civil de sua História.
Lincoln era aspirante ao cargo de Presidente da República e sua principal promessa de campanha era criação da 13º Emenda, lei que pretendia abolir a Escravidão em todo o Território Norte – Americano. Com a vitória do mesmo no pleito eleitoral realizado em 1861 se transformando no 16º Presidente da História dos Estados Unidos levou os Sulistas ao desespero pois sabiam que o término da escravidão era questão de tempo.
A Recusa do Presidente Lincoln de voltar atrás em suas convicções abolicionistas levou políticos Sulistas a decretarem a “Secessão”, ou seja, o Sul a partir daquele momento aspirava à separação Política em relação ao restante do País. O Objetivo era criar uma Nação nova que seria chamada de “Estados Confederados da América” onde obviamente a escravidão seria mantida, para dar peso a posição separatista os sulistas chegaram a eleger como presidente desse novo País o político Racista Jefferson Davis.
Para piorar ainda mais a situação e o clima de Guerra, Abraham Lincoln eleva todas as tarifas alfandegárias do País criando sérias barreiras protecionistas, tal medida fortalecia a Indústria do Norte e prejudicava as exportações de algodão do Sul já, que o encarecimento dos impostos afastaria compradores em potencial dos produtos sulistas.
No conflito as tropas do Sul eram chamadas de “Confederadas” e as do Norte “União”, o nome se dá em razão dos objetivos políticos de cada exército no campo de Batalha, os Sulistas lutando pela separação e as do norte fiéis ao Presidente lutando pela manutenção da integridade territorial do País. A Guerra Civil Americana se arrastou por 4 longos anos de 1861 a 1865, apesar da notória vantagem Nortista os Sulistas conseguiram resistir por todo esse tempo em razão do brilhantismo de seus comandantes, com destaque especial para o lendário General Robert Lee.
Apesar do esforço e empenho as tropas Sulistas sucumbiram mediante tamanho poder de Fogo das tropas da União, a vantagem numérica de 3 pra 1 e a produção de armas da Indústria Bélica Nortista deu a vitória final aos adeptos do Presidente Abraham Lincoln. Ao término da Guerra o País se manteve Unido, porém com o saldo desolador de 620 mil mortos e o assassinato de Lincoln por um fanático Sulista.

Após o Conflito o Sul ainda foi palco da criação de uma organização extremamente Racista que por anos aterrorizou a comunidade Negra (KU KLUX KLAN) e da criação de leis segregacionistas (Jim Crow) que impediam os Negros recém libertados o direito de desfrutar dos mesmos locais e ambientes freqüentados por Brancos. Infelizmente o clima de conflito Racial perdura até os dias atuais na sociedade Norte – Americana demonstrando que feridas da guerra civil ainda não forma cicatrizadas.                


EXERCÍCIOS: 

1. (Fgv 2005) As eleições presidenciais de 1860 nos Estados Unidos foram vencidas por Abraham Lincoln, nortista e líder do Partido Republicano. Nem todas as unidades da federação aceitaram o resultado eleitoral, e alguns estados sulistas criaram os Estados Confederados da América. Era o início da Guerra de Secessão, resultado das inúmeras divergências entre os estados do Norte e do Sul. Entre essas divergências, pode-se apontar 
a) a questão fundiária, na qual o Sul defendia o acesso à terra para negros libertos, e o Norte defendia o acesso apenas por meio da compra. 
b) a questão bancária, em que o Sul defendia a criação de um banco emissor nacional, e o Norte, a formação de bancos regionais e particulares. 
c) a proposta antagônica para a política alfandegária, em que o Norte defendia o protecionismo, enquanto o Sul apoiava o livre-cambismo. 
d) a questão da escravidão, na qual o Sul defendia a imediata abolição dessa instituição, e o Norte queria o fim gradual do escravismo. 
e) a defesa do Homestead Act pelo Norte e pelo Sul, apesar de que, na visão do Norte, essa lei só deveria atender aos homens recém-libertos da escravidão. 

2. (UNIP) A Guerra de Secessão (1861 - 1865), também conhecida como Guerra Civil Norte-americana, tem sua origem no agravamento dos antagonismos entre os Estados do Norte e os Estados do Sul dos Estados Unidos. Na raiz dos antagonismos estavam duas questões socioeconômicas; são elas o(a)

 (A) mita e a servidão temporária.
 (B) escravidão negra e a política alfandegária.
 (C) federação e o capitalismo de estado.
 (D) neoliberalismo da burguesia nortista e o protecionismo sulista.
 (E) Doutrina do Destino manifesto e o trabalho assalariado no Sul.

Gabarito 1 - C e 2- B


sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Primeira Guerra Mundial ( 1914 - 1918)

                  Há exatos 100 anos a humanidade viveu os horrores de um primeiro conflito em escala mundial, suas proporções catastróficas ainda hoje causam debates sobre os fatores responsáveis por desencadear uma disputa que dissipou 10 milhões de vidas e deixando um saldo de 25 milhões de feridos. Devemos buscar as raízes da 1º Guerra Mundial (1914 – 1918) nas disputas imperialistas oriundas da partilha da África e Ásia no contexto da corrida Neocolonial, França e Inglaterra dominaram a maior parte dos territórios disponíveis nesses continentes desagradando Itália e Alemanha que ficaram a segundo plano no espólio dos países Africanos.  
                As Potências Europeias enxergavam a aquisição de novas colônias como o meio necessário para expandir seus mercados consumidores, neste contexto a Segunda Revolução Industrial é fator direto da animosidade que surgiu entre Britânicos e Alemães pela disputa da hegemonia mundial na área Fabril. O ódio que os Franceses nutriam em relação aos Germânicos remonta a Guerra Franco – Prussiana onde as regiões de Alsácia – Lorena foram confiscadas por Otto Von Bismarck , os Franceses sonhavam com uma revanche que pudesse trazer de volta os territórios perdidos.

               O Nacionalismo está no cerne da rivalidade que acabou gerando uma política de alianças que desembocou no conflito armado, França e Ingleses assinaram a Entente Cordiale se precavendo de uma agressão Germânica no futuro, por sua vez Alemães, Austríacos e Italianos estavam juntos na Tríplice Aliança. O alvorecer do século XX trouxe aos Europeus um período de prosperidade, a chamada “Bela Época”, simultâneo ao florescimento cultural todos se preparavam para um conflito que parecia inevitável, enormes gastos foram feitos na indústria bélica –” Paz Armada”.
    
               A região da Sérvia era outro foco de tensão que acabou sendo co- responsável pela eclosão da “Grande guerra” como diz os Europeus, o império Austro – Húngaro dominava essa região, que sonhava em se libertar para se juntar com a Bósnia criando uma grande pátria Eslava. Esse sonho era alimento pelos Russos por questões econômicas, a região dá passagem ao estreito de Dardanelos  uma importante saída para o Mar que agradava aos negócios do Czar da Rússia Nicolau Alexandre II.                                                                                                                                                                         
               Em 1914 o herdeiro do Trono Austríaco Francisco Ferdinando anunciou que estaria em visita oficial a Sarajevo capital da Bósnia, mesmo sabendo do risco iminente de morte ele insistiu na viagem, na região agia uma organização terrorista intitulada “Mão Negra”. A visita do Arquiduque era a chance há muito tempo esperada para dar cabo da vida do homem que eles julgavam ser um dos responsáveis pela opressão vivida pelo povo Sérvio.

              O Herdeiro Austríaco e sua Esposa Sofia de Hohenberg foram assassinados por um jovem integrante da “Mão Negra” chamado Gavrilo Princip no dia 28 de Junho de 1914, essas mortes causaram um cataclismo político que mergulhou o continente Europeu numa Guerra Brutal que ao longo de quatro anos colocaram em xeque os valores de civilidade tão inerentes ao povo do “Velho mundo”. A Alemanha se aproveitou do incidente político para desencadear a Guerra, seus bombardeios a Sérvia em ajuda ao Austríacos fizeram com que as alianças militares fossem postas em prática, os Russos compraram as dores dos Sérvios declarando guerra aos Germânicos.

              Na seqüência os Franceses entram na Guerra em socorro aos Russos e por sua a vez a Inglaterra em cumprimento dos acordos da Entente Cordiale, numa fração de dias metade do continente estava em Estado de Guerra.Milhões de soldados foram deslocados para os combates , muitos deles sequer entediam os reais motivos do conflito, era realmente complicado ao cidadão comum mensurar a confusão Geopolítica que causou a contenda.

             Após o deslocamento de tropas os soldados da Tríplice aliança e da tríplice Entente passaram meses entocados em terríveis trincheiras cavadas para barrar o avanço de tropas inimigas, ali muitos morreram vitimados por uma série de doenças, é irônico imaginar que mais combatentes morreram por moléstias do que bombardeios. A Guerra parecia estagnada , avançar alguns quilômetros custava milhares de vidas , o mito de ela poderia acabar em alguns meses não se configurou na prática, os Estados Unidos não se envolveram diretamente do conflito até meados de 1917.
                 
                O Presidente Norte - Americano Thomas Woodrow Wilson procurou se manter fora da Guerra, chegou até a propor uma paz honrosa aos Alemães que foi prontamente negada (14 pontos de Wilson).A guerra submarina iniciada pela Alemanha levou a pique o Navio Americano RMS Lusitânia matando mais de 2 mil passageiros que estavam a bordo, esse ataque desencadeou uma onda patriótica que nem mesmo o Presidente pode conter, em 1917 os Soldados Norte – Americanos já estavam na guerra lutando ao lado da Entente.                                                               
                A entrada Norte Americana desequilibrou a Guerra a favor da Entente que passou a ofensiva , o exército Alemão se rendeu antes mesmo de ter seu País invadido, dia 11 de Novembro de 1918 a Guerra estava terminada. Na Alemanha o povo forçou a queda do Kaiser Guilherme dois dias antes do fim da Guerra, no lugar da monarquia foi instaurada a República de Weimar com tendências socialistas, porém a mudança de regime não amenizou a fúria dos vitoriosos.

                Em 1919 foi elaborado em Paris pelas potências vencedoras o chamado tratado de Versalhes, documento que punia e responsabilizava a Alemanha pela eclosão da Guerra, mesmo com a vontade do Presidente Wilson de amenizar a situação dos derrotados, acabou pesando no final o sentimento revanchista Francês que via na destruição da Alemanha uma forma de garantir a paz futura.
               O tempo mostrou que os Franceses estavam equivocados, as humilhações impostas pelo tratado manteve o nacionalismo e o sentimento de vingança vivos em grande parcela do povo Alemão, anos depois os regimes autoritários de cunho Fascista souberam se aproveitar do clima tenso para ascender ao poder e posteriormente mergulhar a Europa numa Guerra de proporções ainda mais brutais que a Primeira.         

segunda-feira, 26 de março de 2012

O Movimento Operário Brasileiro Na República Velha (1900 - 1930)

A revolução Industrial chegou ao Brasil com um século de atraso em relação à Inglaterra e demais nações Européias, em pleno século XIX enquanto metade do velho continente adentrava nos avanços da segunda revolução o nosso País vivia ainda uma realidade Agrícola. O Imperador D. Pedro II resistia as novidades industriais que surgiam aos montes no outro lado do Atlântico,mantendo aqui uma estrutura atrasada baseada no grande Latifúndio do café com mão de obra escrava Negra.Para não dizer que não tínhamos nenhuma iniciativa no setor industrial produtivo, o Banqueiro e Industrial Irineu Evangelista de Sousa , Barão de Mauá , se mantinha como uma voz que destoava de uma economia estática e agrária,investindo na construção de estradas ferro , bancos e Indústrias .Empreendedor e grande admirador dos Ingleses Mauá sonhava com um Brasil auto-suficiente e Industrial , seu sonho virou pesadelo com a perseguição implacável daqueles que descordavam de suas previsões econômicas , acabou sozinho e falido devido a especulações do governo Imperial que o levou a Falência.
A Virada do Século trouxe com sigo uma nova realidade Política e Econômica para o Brasil, a República foi Proclamada e apesar do café continuar com importância relevante nas exportações do País ele foi pouco a pouco perdendo lugar para um novo cenário Industrial que tomava conta dos grandes centros do Sudeste. São Paulo e Rio de Janeiro despontavam como Estados produtores Alavancando a economia do país, é bom destacar que essas indústrias que nasciam com capitais oriundos do próprio café era de produtos primários e bens não duráveis.
Essas Fábricas produziam tecido, calçados, Roupas, enlatados e produtos de limpeza o Brasil não tinha siderúrgicas e na falta delas todo aço utilizado vinha de fora, impedindo o desenvolvimento de uma Indústria de base e a produção de bens duráveis. Apesar de chegar atrasada no Brasil a realidade Industrial trouxe para os trabalhadores o mesmo cenário de exploração extrema da mão de obra operária, além de baixos salários e péssimas condições de Vida.
Um Operário brasileiro dessa época (1900-1930) trabalhava em média de 10 a 16 horas por dia, não existia folga ou férias remuneradas, leis trabalhistas parecia um sonho inatingível. As fábricas insalubres prejudicavam a saúde dos trabalhadores e os acidentes eram constantes e quase nada era feito para evitá-los, isso sem falar nas mulheres e crianças que trabalhavam por longas jornadas para receber um terço do que ganharia um homem adulto executando a mesma função.
Esse cenário de exploração dos trabalhadores e descaso dos Industriais levou pouco a pouco a criação de inúmeros sindicatos para a defesa dos interesses das mais variadas áreas produtivas, o movimento operário Brasileiro na república velha nasceu em meio à necessidade de se lutar pelos direitos mínimos da classe operária. No início do século XX as idéias revolucionárias de esquerda chegavam com força no Brasil, principalmente em razão das agitações do cenário Europeu ,em 1917 os Bolcheviques comunistas lideram uma revolução bem sucedida na Rússia implantando um Estado Socialista , porém é importante destacar que o Anarquismo era uma corrente ideológica de maior peso naquele contexto de movimentação sindical.
A greve geral de 1917 que praticamente paralisou o País foi liderada por sindicatos Anarcossindicalistas, suas reivindicações cobravam dentre outras coisas:
Leis Trabalhistas;
Folga semanal e Férias remuneradas;
Jornada de 8 horas de trabalho por dia;
Regulamentação do Trabalho Feminino e Infantil
Aumento salarial
Melhores condições de Trabalho e Moradia;
O governo do Presidente Venceslau Brás (1914-1918) não deu ouvido ao clamor popular, as greves e paralisações eram tratadas como casos de Policia, uma forte repressão Estatal colocou na cadeia lideranças operárias, vários líderes anarquistas e socialistas foram enviados para o Exílio fora do País e a grande maioria dos pedidos da classe operária ficaram na vaga promessa de um dia serem atendidos. Os Governos seguintes continuaram tratando a questão Operária como crime , arruaça e agitação Anarquista , os presidentes da república Velha não enxergavam o lado social de tais reivindicações, o cenário e a vida operária no Brasil só ganharão novos episódios após 1930 no governo Vargas que acabou por ceder as pressões elaborando um conjunto de leis trabalhistas, que faz dele um Ícone populista da nossa História recente – “Vargas o Pai dos Pobres”.

sábado, 28 de janeiro de 2012

Renascimento Cultural

A idade média é o período que vai da queda da Roma ocidental(476 d.c) a 1453 d.c que marca a queda de Constantinopla,os pensadores Italianos desprezaram esse milênio classificando essa fase como "idade das trevas", em razão do fanatismo religioso e da baixa produção cultural.Porém é importante ressaltar que esse tipo de nomenclatura não condiz com a verdade,a idade Média teve produção cultural relevante em diversas áreas.
O chamado Renascimento cultural teve sua origem nas cidades de Gênova e Veneza,essas cidades italianas abrigavam um comércio vigoroso com uma burguesia poderosa e disposta a financiar as artes e artistas,esses ricos comerciantes eram os mecenas e podemos dizer que o financiamento dos mesmos foi de fundamental Importância para o resgate da cultura e da Arte Greco-Romana.Basicamente podemos dizer que Renascimento cultural foi o conjunto de mudanças e inovações de ordem técnica e intelectual nas artes como um todo,uma nova forma de enxergar o mundo e a produção cultural , a razão passa a nortear os rumos da ação humana em todos os campos do conhecimento.Dentre as mudanças e novas características do Renascimento Cultural podemos citar Racionalismo,hedonismo,Universalismo,empirismo e humanismo.
No Renascimento literário podemos citar como principais expoentes Nicolau Maquiavel com o clássico livro " O príncipe" , Erasmo de Rotterdam com a obra "Elogio a loucura", Miguel de Cervantes autor do brilhante D. quixote,Camões com o clássico "Lusíadas" e Thomas Morus com seu livro "Utopia".
O renascimento Artístico tem vários nomes de ressonância ,Leonardo da Vinci conhecido como "Homem universal" tem como principais obras a Monalisa e o quadro a santa ceia,Miquelângelo outro artista de importância imensurável é o autor das estátuas de Moisés e Davi,além de lindas Madonas e Pietás.
A Ciência não ficou de fora das mudanças do período , Nicolau copérnico,galileu galilei e Johannes Kepler que lançaram as bases da teoria Heliocêntrica.
A crise do Renascimento Cultural tem suas raízes nos movimentos religiosos da idade moderna , a reforma protestante e as insanidades da inquisição católica criaram sérias limitações a produção cultural,também contribuiu para esse cenário o deslocamento do eixo econômico do mar mediterrâneo para o Atlântico com o ciclo dos grandes descobrimentos.O Renascimento Cultural trouxe uma análise mais racional e científica para os fenômenos que inquietavam o homem Europeu,o foco não era mais deus,a religião perde um relativo espaço para o antropocentrismo,respostas empíricas eram a meta desses homens de letras que esperavam explicar o mundo sem as amarras da religião.